Jaime Neto | desenvolvimento para web

jul/13

22

Campus Party Recife 2013


Campus Party

Campus Party

Semana passada fui pela primeira vez a uma Campus Party, ou seja, primeira vez como campuseiro. Foi na segunda Campus Party de Recife, ou #CPRecife2, que ocorreu de 17 a 20 de Julho, e resolvi deixar aqui minhas impressões.

Não é com muita frequência que podemos ver uma quantidade tão grande de nerds (incluindo eu) juntos num só lugar. Tanta gente com seus notebooks, tablets, smartphones, e até mesmo PCs, todos juntos debaixo do teto de uma casa de shows (Chevrolet Hall), assistindo palestras, jogando, acessando a internet ou correndo atrás de brindes. É disso que se trata a Campus Party, de forma resumida.

A primeira coisa que notei quando cheguei ao local do evento, e que me causou uma grande decepção: NÃO TEM WI-FI! Como assim, um evento de tecnologia desse porte não tem Wi-fi? E toda aquela propaganda na TV dizendo que teria conexão de 30Mb para todo mundo? Com cabo, claro… quem tiver levado seu notebook/netbook/ultrabook/PC podia usufruir tranquilamente da internet, se encontrasse um cabo livre pra plugar. Muita gente quando queria ver alguma palestra, deixava lá seu computador plugado em cima da mesa e depois voltava, senão, já era! E ninguém levava o computador de outros? Não, pois todos deveriam ser registrados ao entrar no evento, e pra sair era feita uma revista. Eu, particularmente, preferi levar meu tablet contando com o wi-fi, e quebrei a cara.

PCs turbinados

PCs turbinados

Uma coisa impressionante era a quantidade de gente sentada nas bancadas com seus computadores, na maioria notebooks, mas havia alguns PCs gigantes que só me faziam pensar o trabalho que deu levar aquela parafernalha toda pra lá. Alguns levaram TVs grandes para ficar jogando video game durante o evento, outros levaram 3 monitores e ligaram tudo numa máquina turbinada. Alguns gabinetes eram verdadeiras obras de arte, e tudo isso não era do evento, hein, e sim dos campuseiros mais audaciosos!

Coisas simples, mas bacanas, foi o fato de ter em vários cantos do local, garrafões de água, para quem quisesse encher sua garrafinha (já que os copos acabavam rapidamente), e tinha até um cantinho para quem quisesse tomar café, mas não durava muito, fazendo com que o pessoal que servia pedisse doações de café, açúcar e copos. Biscoitinhos da sorte eram distribuídos eventualmente, sem falar nos brindes dos patrocinadores que geravam correria, filas e os gritos de “ÔôÔôÔôÔ”, que ecoavam pelo local, e que se tornaram uma marca do evento, devido a um famoso desenho do pica-pau passado durante o evento para entreter o público quando alguma palestra não pôde acontecer (ver abaixo). Os brindes iam desde leques, canecas, e até mochilas. Alguns palestrantes também distribuíam camisetas, óculos e outros itens com a marca tratada na palestra.

Jovem Nerd e MRG

Jovem Nerd e MRG

Quanto às palestras, havia para todos os gostos. Palestras sobre empreendedorismo, smart cities, computação em nuvem, mesas redondas discutindo sobre os temas, muita coisa sobre video games, desenvolvimento para web e aplicativos móveis e até astronomia. Não podemos deixar de citar também a presença ilustre de gente famosa entre os nerds, como o pessoal do Jovem Nerd, MRG e do Jacaré Banguela, que estavam lá para nos proporcionar umas boas risadas.

Algo que me causou estranheza foram algumas palestras em que os palestrantes pareciam perdidos, não sabiam se expressar bem, como se fosse a primeira vez que falavam pra um público, algo que não esperava ver num evento tão grande. Em alguns casos ficava até difícil ficar pra ver até o final. Acredito que estes sejam ótimos profissionais, ou não estariam ali, mas como palestrantes deixavam muito a desejar. Haviam também aqueles que eram muito xiitas naquela tecnologia que defendiam, e que as vezes passavam mais tempo falando mal do concorrente do que falando sobre seu produto, mas isso já era de se esperar…

Por outro lado, haviam palestras excelentes, com palestrantes extremamente desenrolados e claros naquilo que falavam. Eu particularmente gostei muito das duas palestras sobre “SEO e SMO”, “Google Analytics”, “HTML 5 em esteroides”, e “Firefox OS” e “iOS”, que são assuntos que me interessam e que foram muito bem apresentadas. Destaque para as duas primeiras, apresentadas pelo Fábio Ricotta que me foram bastante esclarecedoras.

Senti falta de estandes de empresas, como há em outros eventos, como quando fui no FISL. Achava interessante passear entre as estandes, ver as novidades quando não estava vendo alguma palestra. E achei bastante incômodo a invasão do som de umas palestras nas outras, causando uma grande poluição sonora, dificultando, muitas vezes, entender o que o palestrante falava.

Por fim, minha impressão final do evento é que (talvez por eu ter criado uma expectativa muito diferente) achei ele mais destinado para estudantes, que pareciam estar se divertindo muito, mas pra mim, só se salvou mesmo devido às boas palestras que vi. Valeu conhecer? Valeu. Iria de novo? Não. Mas felizmente é possível ver as palestras online no canal do youtube (http://www.youtube.com/campusparty) e aproveitar o que o evento, na minha opinião, teve de melhor.

1 comment

  • Abdala Cerqueira · 3 de setembro de 2013 às 0:39

    Cara, também tive essa mesma impressão quando fui em 2012. Mas é isso aí, temos que tentar aproveitar o que é bom, hehehe.

    Abraço!

    Responder

Leave a Reply

<<

>>

Theme Design by devolux.nh2.me